DENGUE HORIZONTINA: Cemitério Municipal concentrava vários pontos com larvas de mosquito

O Governo Municipal através da Secretaria Municipal da Saúde, área da Vigilância Epidemiológica, agentes de saúde e agentes de endemias, seguem trabalharam no sentido de orientar a população para a necessidade de haver controle, cada um em sua propriedade, no que tange a possíveis locais que possam armazenar água e consequentemente gerar a proliferação de mosquitos, especialmente o Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue e da febre amarela urbana. Menor do que os mosquitos comuns, é preto com listras brancas no tronco, na cabeça e nas pernas. Suas asas são translúcidas e o ruído que produzem é praticamente inaudível ao ser humano.

Todos os anos nos meses mais quentes essa preocupação da Vigilância em Saúde ocorre. Os agentes visitam as propriedades privadas, instalações e áreas públicas, repassando e reforçando informações, que obviamente, são de conhecimento de toda a comunidade.

No final de semana que passou, em inspeção de rotina ao Cemitério Municipal, a quantidade de focos de larvas impressionou os agentes, haja vista, o descuido das pessoas, que voltaram a trazer ao espaço, pratos, vasos e outros objetos que acumulam água, na intenção de homenagear seus ente queridos, mas que é um risco eminente a saúde pública.

Onde estão os fócos criadores?

Neste ano, as chuvas não se registraram nos primeiros meses de primavera e verão, haja vista grande estiagem ter assolado o noroeste gaúcho. A população de mosquitos estava sob controle, no que tange ao percentual de infestação, no entanto as fêmeas continuaram depositando seus óvos. A volta das precipitações semanais, fez com que junto aos dispositivos de armazenamento de água: cisternas, caixa d’agua da chuva, tonel, tambor, barril e em depósitos móveis: vasos e pratos de flores, garrafas, pequenas fontes ornamentais, estejam 73% dos focos mosquitos localizados.

Os números da doença até 10 de abril

O número de pessoas infectadas por dengue no município atinge 820 pessoas. São 388 casos já confirmados, 421 notificações por sintomas da Dengue em investigação. Desses, apenas dois casos, são casos importados. Os outros 386 (confirmados) são contaminações locais (autóctones). 

        O município tinha até a última sexta-feira um óbito pela doença. Outro óbito ocorrido na sexta-feira, de um homem jovem de 30 anos está sob investigação.

Quais as ações realizadas pela prefeitura?

Mais de uma dezena de ações para eliminar os criadouros de mosquito foram adotadas nos últimos dias, diz a prefeitura;

-Ações de voluntariado; distribuindo material informativo e promovendo limpezas com associações de moradores, empresas, fundações culturais;

-Agentes de endemias (4) e 27 agentes comunitários de saúde, atuaram nos bairros atingidos fazendo presencialmente as orientações; 

-Aquisição de nova máquina de pulverizar (fumacê) investimento de R$ 22 mil e pulverização conforme determinação dos protocolos de saúde, assim que notificados sintomas em cada quarteirão;

-Mutirão com máquinas e caminhões para coleta especial de materiais inservíveis depositados nos fundos das moradias;

-Notificação e parcerias com imobiliárias no caso das casas fechadas para locação; 

-Notificação e multas a quem descumprindo a legislação está com seu terreno sujo, ou com piscinas ou outros objetos acumulando água, através da disponibilização dos telefones da Fiscalização de Meio Ambiente no 3537-7537 e da Ouvidoria do Município telefone 3537-7504, nos horários 07h45min às 12h ou 13h30min às 17h15min para denúncias e informações, inclusive anônimas visando unicamente o combate ao mosquito;

-Ampliação do contrato com o Hospital para contratação de mais um médico, ampliando o atendimento noturno dos casos de urgência e emergência que não puderem ser atendidos nas Unidades de Saúde;

-Conscientização e entrevistas através das mídias do município visando informar a população, que a Dengue, só se acaba com o combate ao mosquito;

-Repasse de material informativo junto aos alunos das escolas municipais passando orientações para o ambiente escolar e das residências;

-Revisão de todas as áreas verdes, áreas escolares e de postos de saúde, prédios públicos próprios e locados pelo município e entre tantas ações comunitárias.

Compartilhe: